Poemas aos homens do nosso tempo

Poemas aos homens do nosso tempo

07/08/2013

Adir Sodré [MT]
Divino Sobral [GO]
Nazareno [SP]
Paulo Meira [PE]
Thiago Martins de Melo [MA]

Programa de exposições
Abertura da exposição | Ateliê Aberto | 14.06.13, 19h – 22h
Visitação | 16.06.13 – 26.07.13 | seg – sex | 14h – 19h ou com agendamento
Visitas monitoradas | agendamento | 19. 3251 7937 | contato@atelieaberto.art.br
Entrada gratuita

Residência | Casa do Sol – IHH | 17.05.13 – 16.06.13
Encontro com os artistas | Casa do Sol – IHH | 20.05.13, 16h – 18h30
Encontro com os artistas | Ateliê Aberto | 14.06.13, 18h
Lançamento da publicação | Ateliê Aberto | 26.07.13, 18h – 22h
Faça download da publicação aqui!

O projeto nasce do desejo de experienciar mundos entrelaçados. E encontra em Hilda Hilst um ponto de conversão para esses mundos dada a pungência, inteireza e profundidade de uma obra que anseia por diálogos. Assim, foi proposto um rito para fazer conviver público, artistas, produtores, críticos e curadores com as auspiciosas palavras dessa escritora que traz o lado esférico do amor, do divino, do desejo, da dor e da morte. Especialmente, em seu conjunto de poesias “Poemas aos Homens de nosso tempo”, Hilda expõe as vísceras de um corpo político, hoje, anestesiado. O projeto está desdobrado em três atos distintos e complementares: uma residência, uma exposição com trabalhos inéditos e uma publicação. Os artistas são: Paulo Meira (PE), Nazareno (SP), Divino Sobral (GO), Thiago Martins de Melo (MA), Adir Sodré (MT) e a designer Daniela Brilhante (PE).

O projeto é uma curadoria conjunta entre a curadora e crítica de arte Ana Luisa Lima, o Ateliê Aberto e Jurandy Valença (Instituto Hilda Hilst).

Selecionado pelo Programa Rede Nacional Funarte 9ª edição, “Poemas aos Homens de Nosso Tempo – Hilda Hilst em Diálogo” é uma evocação à série de poemas reunidos no livro “Júbilo, Memória e Noviciado da Paixão” (1974). Publicada em plena ditadura, a obra utiliza vozes masculinas como repertório poético-político no qual a escritora estava imersa naquele momento. Nesse sentido, os cinco artistas convidados e suas criações passam a representar as vozes políticas contemporâneas de Hilda Hilst.
Durante a residência, os artistas terão acesso aos acervos da escritora e participarão de dois encontros abertos ao público.

Como quarto ato desse processo, foi realizado um vídeo a partir da experiência do encontro dos artistas, equipe e obra da escritora. Em sua agenda pessoal de 1973, Hilda Hilst descreve o nascimento de uma árvore na palma da mão esquerda de um homem e ainda dizia que após sua morte, sua presença iria se manifestar na da cor vermelha. Partindo do processo de pesquisa, de trechos do livro “Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão” (1974) e da experiência do projeto como um todo, surgiu esse vídeo que traz a tona a potência do encontro como criação e do entrelaçamento da literatura com as artes visuais.

Clique aqui e veja a matéria do projeto na Revista da Biblioteca Mário de Andrade n. 69: Obscena!

Casa do Sol – Instituto Hilda Hilst
Rua João Caetano Monteiro, s/n, Chácara Casa do Sol, Parque Xangrilá, Campinas, SP, tel. (19) 3257-1076.
Localizada a 20 km do centro de Campinas em meio à natureza, a casa em que Hilda Hilst viveu a maior parte de sua vida tem uma área de 9.000 m² e jardins tombados como patrimônio histórico, possui bibliotecas com acervo de mais de 6.000 mil publicações e todos os títulos publicados pela escritora, inclusive escritos particulares. Além do acervo, a casa, o mobiliário e a decoração possibilitam um mergulho dos artistas no universo da escritora. O Instituto Hilda Hilst é composto por Daniel Fuentes, Jurandy Valença e Olga Bilenky.

Ateliê Aberto
Rua Major Sólon, 911, Cambuí, Campinas, SP, tel. (19) 3251-7937.
Desde 1997, é um organismo auto-gerido e inter-dependente voltado para a cultura contemporânea. Localizado na zona central de Campinas, o espaço de 300m² de área construída, possui ateliê, galeria, sala multiuso, sala de projeção, jardins e biblioteca. Além de toda infra-estrutura necessária para dar suporte aos processos dos artistas. O Ateliê Aberto é coordenado por Henrique Lukas, Maira Endo e Samantha Moreira.

Realização
Funarte, Ministério da Cultura e Governo Federal


Deixe um comentário