Escultura 24hs

05/05/2007

projeto de intervenção artística no meio urbano de Campinas elaborado para a Virada Cultural 2007
Realização: Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo
Concepção: Ateliê Aberto Produções Contemporâneas
Curadoria: Samantha Moreira e Sylvia Furegatti
Produção: Maíra Endo
Programação Visual: Érika Pozzeti
Artistas integrantes do projeto: Adriana Conceição, Alice Grou, Cecília Stelini, Dorothea Freire, Flaviana Tannus, Marilde Stropp, Norma Vieira e Sarah Valle
Com a colaboração do CSPC – Coordenadoria Setorial de Patrimônio Cultural

Os valores sociais de nosso tempo impõem seus ritmos indiscutíveis: a padaria é 24hs. A farmácia é 24hs. O posto de gasolina é 24hs.

Cada vez mais expandida para outras áreas, a Arte também projeta questões sobre esses ritmos cotidianos. Uma exposição dentro de um museu ou galeria tem tempo finito e horário de acesso pré-determinado; o objeto de arte hoje já não pretende mais perdurar pela eternidade declarando assim incerta sobrevida; o projeto de arte contemporânea toma cada vez o formato dos eventos qualificando a efemeridade de sua passagem pelos vetores tempo e espaço.

Diante de tudo isso construímos novas perguntas que envolvem arte; tempo e espaço para concluir aqui: não há nada mais 24hs que uma escultura pública urbana.

O Ateliê Aberto – produções contemporâneas tem atuado de forma híbrida com projetos artísticos e culturais dentro e fora de Campinas. Para a Virada Cultural 2007 elaborou uma ação artística local que busca agregar ao seu cotidiano urbano a notada presença das esculturas públicas que formam sua coleção.

Convidando vários outros artistas atuantes na cidade para esse trabalho cria o projeto Escultura 24hs que, por meio de um evento igualmente efêmero, discute com a população, os tempos e as importâncias dadas às formas de cultura nos centros urbanos da atualidade.

A ação proposta estabelece 24 pontos da cidade de Campinas para propor sua reinserção social e cultural no cotidiano urbano por meio de seus marcos escultóricos. Escolhidas por sua localização, dimensão e plasticidade, as esculturas que foram inseridas no contexto desse trabalho de arte pontuam diferentes linguagens artísticas, diferentes tecnologias de construção, distintos momentos históricos e importâncias para o lugar que ocupam. Guardam em comum, contudo, uma certa invisibilidade destinada a qualquer elemento da sociedade atual que insista em permanecer fixo e imutável no espaço aberto e urbano.

A concorrência direta sofrida por essas esculturas perante a velocidade e as urgências da vida cotidiana nos faz notar seus valores sempre disponíveis, acessíveis a qualquer hora do dia e da noite. A conseqüência direta está na sua condição de baixa receptividade.

Comparadas aos outros elementos da paisagem capitalizada pelas estruturas urbanas que se exibem abertas 24hs como a padaria, a farmácia e o posto de gasolina, esses marcos, muitas vezes pixados, normalmente sem iluminação própria, por vezes sem o conhecimento histórico de sua importância pelo público, vão persistindo numa paisagem urbana em transformação.

O projeto Escultura 24hs não tem a pretensão histórica de levantamento sistematizado para essa coleção de obras públicas. Reconhece sua importância, mas busca trabalhar esses elementos dentro dos limites da linguagem que o origina: a condição de um projeto artístico coletivo contemporâneo. Assim, no cruzamento dessas informações foram sendo tecidas as escolhas pela sinalização e demais formatos da ação.

Próximo da estrutura de cada escultura está instalado um balão laranja e prateado com a sinalização característica do projeto que conta à população que aquela é uma obra disponível 24hs por dia. A expectativa traçada pelo grupo do Ateliê Aberto para esse projeto adota a mesma insistência com a qual sobrevivem arte e cultura no mundo atual; escolhe o caminho da intervenção no cotidiano para trabalhar com a possibilidade da mensagem rápida, que por sua condição pode provocar tanto a surpresa, quanto o início súbito da mudança no hábito nas pessoas.

Texto de Sylvia Furegatti

Virada Cultural Paulista – Campinas
Realização: Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo

 

 

 


Deixe um comentário